Por Filipe Sousa 

 

Evento novamente rendeu experiências positivas para público, organização e expositores.

 

Bom índice de público e opiniões positivas evidenciam mais uma edição bem-sucedida; evento terá um dia a mais em 2019

 

Continuando uma trajetória que já dura anualmente desde 2010, a Limeira Patchwork em 2018 chegou à nona edição. Realizada nos últimos dias 13, 14 e 15 de setembro, a feira reuniu no espaço de eventos do Shopping Nações, 172 estandes. O evento, organizado pela D.A. Produções e Eventos, com apoio do CPP (Centro do Professorado Paulista – Regional de Limeira), recebeu expositores de sete estados do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul, o que gerou um leque bem amplo e diversificado de produtos, opções e preços, algo que é positivo ao público, pois proporciona inúmeras possibilidades em um único lugar. Em 2019 a feira terá um dia a mais e igualmente vai acontecer no Shopping Nações.

Irene Ribeiro, da vizinha cidade de Santa Bárbara D’Oeste (SP), relatou que vem ao evento desde 2010. “É uma feira espaçosa. Faço questão de estar aqui todos os anos e já fiz até amizade com expositores. Deixo de ir em eventos do mesmo segmento em São Paulo (SP), por exemplo, pois aqui encontro tudo o que preciso”, disse Irene, que ainda, afirmou ter comprado itens e materiais que, em média, exigiram o investimento de aproximadamente R$900,00.

Irene Ribeiro vem ao evento desde a edição de estreia, em 2010

 

Chegou à organização a história da menina Maria Clara Alvino Dal’ava, de apenas nove anos de idade, ela, acompanhada da avó, Antonia Leal Silva Dal’ava, vieram de Poços de Caldas (MG). Maria Clara já teve acesso não permitido em outras feiras do segmento, pois, alguns eventos proíbem a entrada de menores de 12 anos, o que não acontece na Limeira Patchwork. “Espero muito por essa feira, pois é a única que posso entrar. Aprendi a gostar de patchwork por causa da minha avó. Eu já costuro com a mão e agora minha avó vai me ensinar a usar máquina. Essa feira é linda”, afirmou a jovem que costuma guardar moedas durante o ano para gastar na Limeira Patchwork. Esta foi a terceira vez que ela esteve na feira e a avó citou que Maria Clara costuma sempre pedir para produzirem itens. “Ela me ajuda bastante e até já faz costura reta e fica pedindo para fazer comigo mais e mais itens… Tem dias que não me dá sossego e passei a vir nesta feira também por causa dela, pois aqui pode entrar criança”, declarou.

Maria Clara com a avó (à esq.) e Dora Arcaro (à dir.). Garota costuma guardar moedas para vir comprar na feira.

A Limeira Patchwork também recebeu as visitas de Nelly Gutarra e Nella Paredes, Nelly é mãe de Nella e ambas atualmente residem em Barão Geraldo (SP), no entanto a mãe é natural de Lima, capital do Peru e a filha nasceu em Valencia, cidade que fica na Venezuela. Nella citou que ficou sabendo do evento por amigas e pela internet. “Somos bordadeiras e, neste meio, também temos contato com bordadeiras brasileiras e elas falaram para nós desta feira. Estamos gostando muito”, afirmou. Nelly Gutarra compartilha da opinião da filha. “A feira é maravilhosa. É tanta variedade. Eu não sabia que existia este evento. Algumas coisas são diferentes do bordado peruano, tem cores diferentes, formas e isso me enriquece como artesã”, concluiu.

 

Da esq. para dir.: Nelly Gutarra, Nella Paredes e Dora Arcaro, presidente da feira.

O expositor de São Paulo (SP), Marcos Hidalgo, da E-Craft, participa desde a primeira edição. “É uma feira diferente. O ponto forte, sem dúvidas, são as caravanas. As vendas foram altas e, nesta crise que ainda estamos, em comparação com outras feiras, foi um evento bem interessante para nós”, afirmou.

Jhonatas Roque, do estande Casa Roque, é outro expositor que encerrou sua participação relatando satisfação. “Foi uma experiência ímpar. Trabalhamos em plataformas online nas quais todas as tratativas são digitais e ter este contato pessoal com o cliente foi incrível. Adoramos participar da feira e queremos vir mais vezes, sem dúvidas”, declarou ele que, também, participou do Concurso Limeira Em Patchwork.

Jhonatas Roque: “Foi uma experiência ímpar”.

O casal Carlos Folster e Mari Folster, ambos de Jundiaí (SP), participaram expondo no Espaço do Artesão, principal novidade do evento em 2018 que, num único local, reuniu expositores de outros segmentos. O estande Mari Folster comercializou joias artesanais, brincos, anéis, entre outros. “Foi um evento ótimo em tudo”, disse Carlos Folster. Mari comentou a boa receptividade do público. “Superou nossas expectativas. As pessoas gostaram do trabalho, pois é todo artesanal. Encerramos aqui contentes”, afirmou.

 

O casal Carlos e Mari Folster participaram do Espaço do Artesão

Pesquisa

Com objetivo de obter dados que possam contribuir com o projeto, o Departamento de Comunicação da D.A. Eventos, com a ajuda da Assessoria de Imprensa do CPP-Limeira, realizou pesquisa com 50 pessoas na feira e obteve os seguintes dados: os itens mais procurados foram: variedade de tecidos, projetos para a produção de itens em patchwork, feltro, acessórios e ferramentas, tais como placas e cortadores e, ainda, máquinas e réguas. Um indicativo, dentre estas 50 pessoas, foi a de que, em média, cada uma gastou cerca R$344.00 na feira. Por fim o estudo concluiu boa margem de aceitação, uma vez que 48 afirmaram que pretendem voltar ao evento em 2019.

Concurso Limeira Em Patchwork

A feira dedicou um espaço especial para o Concurso Limeira Em Patchwork 2018, foram expostas as 27 obras participantes, recorde absoluto da iniciativa. A temática “Poesia e Patchwork” propôs aos artistas a produção de arte-têxtil que homenageasse a poesia de algum autor brasileiro. O resultado final do concurso foi divulgado no primeiro dia por meio da exposição e reportagem especial publicada na revista oficial do evento que teve tiragem de 10 mil exemplares e teve distribuição gratuita. O primeiro lugar, segundo análise das juízas Kátia Modry, Kátia Amaral e Eliana Azevedo, ficou com Evalhudi Malinowski Mistura, de Erechim (RS), em trabalho que homenageou a poesia Traduzir-se de Ferreira Gullar.

Público

Segundo dados fornecidos pela Assessoria de Imprensa do Shopping Nações, a média de público foi de 40 mil pessoas entre os três dias. A organização da Limeira Patchwork assegura o total de 141 caravanas.

Ribeirão Preto  

Novo projeto da D.A. Eventos na cidade de Ribeirão Preto (SP), a Limeira Patchwork em Ribeirão vai acontecer nos dias 11, 12 e 13 de outubro, das 12h às 19h no Centro de Eventos do Ribeirão Shopping que fica na Av. Cel. Fernando Ferreira Leite, 1540, Jd. California. A entrada é gratuita. O objetivo é o de levar também para o público desta região do estado os bons fatores proporcionados pela feira. As tratativas iniciais para a compra de estandes ocorrem pelo e-mail: feiras.limeira@daeventos.com.br .

 

Veja algumas fotos abaixo. O álbum oficial pode ser acessado pelo link a seguir > clique aqui <

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *